11 de jul de 2008

Visita Pronto-Socorro

Seria errado desistir mais uma vez
Daquilo que está para acontecer mais e de novo
De fato seria porque sei que iria sofrer e isso é óbvio
A gente sempre tende a se afastar com o gesto mais cortez

Mas ao chegar em casa me estico
Até poder não sentir o espaço que me cerca
Tudo o que tenho não pode preencher este vazio
Que não está em mim pois está lá fora

É a percepção que falha
A droga que me falta
O temor de mais um dia
E o apego a quem me sentencia

Sozinho e na sacola da moça que me visita agora
Há tudo: de comida pro cachorro a adubo pra pequena horta
Nada faltará até o fim do mês nem mesmo o meu sono
Porque ela traz também meu sonífero
Tão artificial quanto sua visita pronto-socorro




*postado originalmente em Quinhão.