30 de nov de 2010

Arrependa-me mucho... ou não


Não fui no show do Paul McCartney. É claro que eu gosto das músicas do Beatles e ver um dos integrantes da possivelmente maior banda de todos os tempos seria um tipo de evento/experiência única na vida. Apesar de tudo, isso não foi o suficiente para me motivar a ir até o Morumbi uns dois finais de semana atrás (bem, isso e minha conta bancária).


29 de nov de 2010

Tudo bem in the rain?

Estádio do Morumbi, 22 de novembro de 2010
Up And Coming Tour


Os Beatles são praticamente uma unanimidade musical e, naquela segunda-feira chuvosa, fui uma fã até maior do que imaginava ser.

14 de nov de 2010

Um dia histórico

13 de Novembro de 2010. Para muitos, apenas um dia comum, um sábado como qualquer outro. Para outros, um sábado futebolístico ordinário, com o Corinthians mais uma vez sendo dono da principal polêmica do dia. Contudo, para um seleto grupo, 13 de Novembro de 2010 terá o sabor natalino fora de época. Um Natal ao som de Axé, acarajé, cerveja e tudo o que só a Bahia tem a oferecer.


11 de nov de 2010

Façamos reportagem, apenas

Tenho de volta a obra-prima "O Segredo de Joe Gould", de Joseph Mitchell, que marcou a grande reportagem norte-americana sem, para isso, necessitar de celebridades ou grandes nomes da época como fontes.

Como disse João Moreira Salles, no prefácio da edição da Companhia das Letras, a cada texto de Mitchell, uma árvore vem abaixo - fazendo alusão ao pica-pau que pode derrubar uma árvore. Explico. Ninguém tem paciência suficiente para ver um pica-pau bicar uma árvore durante mais de duas horas, até que ele consiga derrubá-la. Mas o jornalista do New York Times tinha.

No caminho de volta para casa, hoje, com o livro em mãos (havia emprestado há mais de seis meses), concluí que a fonte de Mitchell, o velho Gould, era a mais difícil. Não porque não possuisse assessoria de imprensa, ou escritório, ou cargo importante. Mas talvez porque era a pessoa desisnstitucionalizada, livre e, portanto, atraente para o jornalista.

Como medir os méritos de uma reportagem? Vamos verificar se ela derrubou um presidente, ou um senador? Se ela atingiu o objetivo de prestar um serviço? Se ela salvou vidas, alertando de algum perigo qualquer? Trouxe conhecimento erudito, educou, esclareceu?

O fato é que ler Mitchell, sua reportagem mesmo, em nada atinge esse checklist. Não derruba governo, não educa, não presta serviço, nem sequer traz previsão do tempo ou resultado da última rodada do campeonato.

Qual a função? Não digo do jornalismo, mas desse tipo específico de matéria, que relata, conta, revela.

Creio que simplesmente - e já é muito - ser peça artistica. E política.
Mitchell não está apenas contando o que o Outro faz - o ser bizarro que é Gould -, mas, além dessa fronteira, está fazendo algo objetivo - produzindo um produto, uma obra, um discurso, uma coisa que não é mera reprodução de conhecimento, mas conhecimento em si.

A peça (e falo aqui em peça, no sentido literal mesmo, como parte de algo que se destaca e se torna coisa autônoma) de Mitchell, seu texto, é a novidade; é ele o trabalho final. E é este o serviço que presta - semelhante ao que nutre o mundo plástico.

Pouco se comenta da plasticidade do texto jornalístico, coisa até ridicularizada nas grandes redações.

Quase entrando na estação de metro, ainda hoje, encontrei o nosso Gould, sobre o qual já escrevi aqui. Seu Verdi. Esse senhor não produz indicadores econômicos, não é autoridade em nada, não é fonte pra ninguém, a não ser para ele mesmo. Para o jornalismo, é desinteressante, pois é uma figura raza, desimportante.

Talvez, a função da reportagem seja subverter esse pensamento que contamina. E parte do remédio pode ser extraído de Mitchell.

8 de nov de 2010

Fim de uma Era


Carlitos se despede diante de 96 mil torcedores no Mansão Fischer CIC PUC

124 postagens, 412 comentários e uma história cheia de glórias, decadências, títulos, rebaixamentos, fortuna e polêmicas. Depois de quatro anos, em uma conturbada entrevista coletiva concedida à imprensa na manhã de hoje, o jornalista uruguaio Carlitos declarou que não posta mais pelo Androceu Blog Clube. Correm boatos que o setorista de esportes, cultura e baboseiras teria recebido uma proposta do recém fundado Blog Club Boëmios com valores inclusive inferiores aos que recebe do atual blog, porém rusgas com a atual diretoria do recém eleito administrador Fax Mischer, do grupo israelense de investimento IML, fez com que a já difícil relação blogueiro-blog desandasse.
Essa não é a primeira vez que o repórter declara deixar o blog. Em junho de 2009 houve uma série de especulações sobre o rompimento do contrato do jornalista para a nova temporada, com mais de 20 blogs na disputa de sua contratação. Em meio a tantos boatos e turbulências, Carlitos chegou inclusive a anunciar sua aposentadoria, que seria revogada após dois meses, quando o rapaz voltou a atuar pelo próprio Androceu. A reportagem do Blog Androceu teve acesso a declarações exclusivas do rapaz durante a coletiva.
Sempre estarei agradecido a meus amigos maravelosos do Androceu que há cinco anos atrás me abriram as portas do Blog e me recepcionaram muito bem. Infelizmente meu contrato já estava chegando ao fim e depois de quatro anos de sucesso no Androceu, é tempo de novos projetos. É bem verdade que a atual diretoria fez uma boa proposta, mas não tive condições de aceitá-la. Fico triste pois não queria sair do Blog, mas quem sabe eu não volte algum dia, já fiz isso uma meia dúzia de vezes. Espero que meus colegas estejam sempre de braços abertos para eu voltar aí, com certeza, graças a Deus. Lutei até o fim para livrar o Androceu do triste rebaixamento, mas os boatos extra-campo da eleição de Fax Mischer realmente abalaram as minhas confianças na Democracia Androcêutica. Desejo sorte aos que ficarem, pois creio que serão esses tempos que virão mais difíceis ainda que os do General Dallares Buccei.
RETROSPECTIVA CARLITOS 2006-2010
Carlitos deixa um legado histórico ao Blog. Logo em sua estreia na Era Moderna do Blog Androceu, Carlitos inovou a história do veículo ao se candidatar à Administração, um cargo conquistado após muitas lutas contra a ditadura do General Dallares Buccei. Quatro postagens depois, Carlitos criou aquele que seria o maior projeto da História do blog: as Olimpíadas Androcêuticas, que seriam mais tarde alvo de duras críticas do principal censor de Dallares Buccei, o jornalista A.Miraisch. Carlitos criou então a CPI da OAEM, que seria rechaçada pelos demais participantes do Androceu. Carlitos voltou com o projeto Troféu Ombudsman, maior sucesso da história da Era Antiga do Blog Androceu e repetiu as glórias do passado. Logo após, cria o Funk da Maísa Fumaça, até hoje o grande símbolo da Era de Ouro da AndroTV, tendo superado a marca histórica de mais de 220 mil visualizações. Na luta contra os resquícios de poder de Dallares Buccei, cria em um ato épico o Plebiscito Androcêutico, símbolo da Democracia Androcêutica. Em maio de 2009, na mais dura época do Blog, que vivia uma recessão profunda, exilou-se e escreveu o livro Androceu em Desencanto, considerado pela crítica internacional como o livro do século.
Bilionário, Carlitos usa todo o dinheiro que conseguiu para tentar salvar o Grupo Androceu da falência, que havia prenunciado para o fim do ano de 2009. Após, cria então o post World Domination, que amplia os horizontes do blog para fora do país e o complementa com a barra lateral Flag Counter, que sofreria um ataque de Fax Mischer, na época Ministro da Casa Civil do Governo Bronu de Poirre, e seria apagada por tempo indeterminado. Como cartada final, tenta fazer o Blog reviver em 2010 com a série The Spottaccios, a mais aguardada desde Loucademia de Polícia VS Sexta-feira 13. O rapaz também é conhecido nos bastidores do Androceu como o Vasco da Gama, pois se candidatou à administração do Blog Androceu em 2007, 2008 e 2010. Em todas as vezes foi vice, inclusive em 2009, quando foi vice-administrador na chapa de Luiz Mendes. Outras de suas criações foram os quadros Lá Vai Bomba e Nitroglicerina Pura, o Twitter na barra lateral, o portal Androceu.com, o Debate de Moderador do Blog, os Logos dos projetos Androceu, a barra Peregrinos com seguidores, o registro e pagamento do domínio Androceu.com, a criação dos emails corporativos, o slogan do Androceu.com e a barra de páginas no topo do Blog. Em novembro de 2010, convoca coletiva e põe um ponto final em sua história no Blog Androceu, declarando sua transferência oficial ao Blog Club Boëmios.

3 de nov de 2010

The Spottaccios: the Final part



Com a chegada de espiões vindos das principais potencias sicilianas, veio então uma primeira e unica conspiração contra os Spottaccios. Há de se ficar evidente que os moradores não tiveram relação com a conspiração: era uma traição nascida justamente da Máfia instalada nos Estados Unidos. Pouco se sabe sobre os autores oficiais, mas a tese mais aceita pelos historiadores e que os Corleones temeram o crescimento dos Spottaccios e planejaram um ataque antes que eles viessem a se tornar uma ameaça real.

Quanto muitos esperavam um massacre desleal, os Spottaccios foram deveras astutos e utilizaram uma tática de guerra das mais infalíves e corajosas para se saírem por cima da carne seca: fugir. Mas justamente na festa de despedida do grupo mafioso-fanfarrão, o ataque foi surpreendente e a última farra dos Spottacios não fugiu à regra de que sempre na última dá merda.

Bravamente, resistiram quase todos, entretanto na troca de tiros, Don Giorgio Claudio foi atingido fatalmente com um tiro na bunda. Era atingido o padrinho da família por um tiro na honra e no poder até então hegemônico daquele conjunto de pessoas de uma pequena vila inofensiva. Não bastasse a morte cruel do Don, Marcos também seria alvejado por 37 tiros acidentais de Maximiliano, na tentativa de defender os outros irmãos. Tenso.

Mais do que nunca, a permanência da família na vila seria praticamente impossível, principalmente depois daquele atentado. Mas isso não ocorreu, ao menos em um primeiro momento. Honrosos, optaram politicamente por ficar em Spottacio, todos deveriam saber que aquela família não iria declinar facilmente, todos quiseram que aquele ataque fosse considerado mais covarde ainda.

Queriam partir para outro lugar já com um novo Don, mas a sucessão não seria simples. Giovanni viajou para um cassino em Palermo para afogar as mágoas, Tommaso não era uma opção por ser de fora da família, não era um filho sanguíneo dos Spottaccios. Alano era sim o grande nome depois da morte de Walter e talvez o único nome, pois Carlo estava em Sorocaba durante o atentado, cidade brasileira na qual estudava a Máfia Brasileira. De certo não havia absolutamente nada mais organizado naquele país que o crime.

Embora Carlo tivesse, em muito pouco tempo, se tornado um dos maiores mafiosos do principado brasileiro e se tornado herói na Batalha da Independência de Sorocaba, onde saiu vencedor e fez da cidade um reino independente do país, ele respeitava o desejo de seu pai, assim como Alano: Maximiliano deveria ser o novo Don. Assim decidiu Giorgio Claudio perto da morte, ao saber que seu filho predileto já havia morrido.

Apesar de tudo isso, nada mais seria como antes, todos temiam se tornarem os chefões de uma família sem rumo. Aquele era o mais delicado momenta da história dos Spottaccios e muitas decisões teriam de ser tomadas pelo ainda inexperiente novo Don, Maximiliano. Desde o novo destino dos Spottaccios a um novo acordo com as outras famílias mafiosas deveriam ser discutidos, mas de um festivo lar, a mansão dos Spottaccios já havia se tornado uma grande fortaleza de boatos e lavação de roupa suja: era muita.

- Chi è il traitor? (
Quem é o traidor?) - questionou Egone, amigo de Marcos.
- Sappiamo non è Carlo, è molto pazzo a questo proposito. Non à Alan, lui era il favorito del padre. Mario è una signora, lui mai non ha spianato una cosa come quello. (
Sabemos que não é Carlos, ele está furioso sobre respeito disso. Não é Alan, ele sempre foi o favorito de nosso padrinho. Mario é uma moça, nunca teria planejado uma coisa dessas.) - respondeu Vladir, primo de Marcos.
- Tommaso? Giovanni? Voi diffidenze di loro? (
Thomas? João? Você desconfia de algum deles?) - perguntou Julio, namorado de Marcos.
- Non dica questo per i ragazzi, ma Giovanni lo há fatto, non rimango me dubbi. Ho seguito più successivamente. Tommaso per tutti i lati che ha ricevuto questo avviso, non aperto la bocca per qualcuno. (
Não diga aos meninos, mas creio que foi o João, não me resta dúvidas. Segui Thomas por todos os cantos depois que ele recebeu essta notícia e não abriu o bico para ninguém.) - opinou Pedro, meio-irmão de Faro, um Bracciola, dono de um ar desconfiado.

Gustavo ouvia tudo aquilo por detrás da porta e ficou furioso. Tinha dentro de si uma certeza que Giovanni nada tinha a ver com aquilo e logo conversou com Luigi e Alan, pessoas de sua profunda confiança. Tinham decidido que partiriam os três para Palermo e acertar essas contas com Giovanni. Ao mesmo tempo, convocaram todos os irmãos que estavam fora do país para um retorno urgente, com qualificação emergencial.

No dia seguinte, Carlo e Bruno estavam de volta à Itália e ficariam de prontidão na mansão para tomar conta dos tios, amigos e agregados. Todos eram suspeitos de terem facilitado alguma informação para que o atentado se tornasse absolutamente certeiro. Maximiliano, como novo Don e em grande perigo, ficaria preso no quarto treinando Winning Eleven, para fazer bonito no Torneio da Máfia de Futebol Eletrônico. Gustavo, Luigi e Alan chegaram a Palermo onde encontraram Giovanni: logo perceberam que ele realmente não sabia de nada. Era certo que o traidor era algum dos homens de confiança de Giorgio Claudio.

- Non ho alcun dubbio, il traditore è Pedro. Cercato di trovare un alibi e lo colpa Giovanni. Figlio di una cagna! (
Não tenho dúvidas, o traidor é Pedro. Se protegeu com um álibi ao culpar João. Miserável!) - gritou Alan, extremamente irritado com aquela situação.

Voltariam os três para Spottaccio, mas sem Giovanni, que seria mandado para Portugal em asilo, até que tudo fosse resolvido. Teriam eles que pensar em uma desculpa para a ausência do irmão e encontraram justamente na dificuldade uma perfeita solução: alegar o assassinato de Giovanni, para então verem pessoalmente a reação dos verdadeiros suspeitos. Na verdade ele jogaria no time do Estoril por empréstimo, no pacotão do Curintia, time varzeano local. Um amigo também iria com ele, conhecido em Spottaccio como Lulinha.

- Giovanni è morto. Ha preso l'attaco. Abbiamo avuto partenza! (
João está morto. Ele assumiu o atentado. Nós não tivemos outra saída!) - disse Luigi que chorava muito ao dar a notícias aos quatro mais velhos da família.
- Hai fatto molto bene, Luigi. Giovanni ha meritato il suo destino. Possiamo continuare il nostro lavoro in pace. (
Fez muito bem, Luiz. João mereceu seu destino traçado. Podemos continuar nosso trabalho em paz.) - revelou Pedro, como uma carta de confissão.

Sem titubear, Carlo pegou um revólver e o descarregou sobre o meio-irmão de Faro. Mesmo sendo um novo atentado de um Spottaccio contra um Bracciola, era necessário. Sabendo que as coisas voltariam a esquentar, dessa vez pra valer, todos os irmãos e primos decidiram por se reunir em segredo em um local não revelado a ninguém para que escolhessem seus destinos, sem dúvidas, bem longe de Spottaccio, uma cidade já cheia de sangue.

- Credo che Monte Carlo è una buona opzione. Avremo casinô, e un po 'di pace per ricaricare. (
Acho que Diadema é uma boa escolha. Teremos cassino e um pouco de paz de nos recuperarmos.) - confessou Carlo, que não largava seu revólver desde que havia assassinado Pedro a queima-roupa.
- Non! Andiamo a Israele! Abbiamo bisogno di un ritiro spirituale! (
Não! Vamos para Israel! Necessitamos de um retiro religioso!) - opinou Alan, que dizia falava como verdadeiro Don da família.
- Confesso che la Bosnia è un po 'pericoloso, ma siamo in grado di dare i colpi saranno! (
Confesso que a Bósnia é um pouco perigosa, mas podemos nos sentir livres para atirar o quanto quisermos!) - avisou Gustavo, louco para voltar para um lugar que cheirasse a sangue de uma guerra de verdade.
- Abbastanza! Io che invita questa merda! Ho già preso la mia decisione! Andiamo domani in Brasile e alla fine! (
Basta! Eu que mando nesta porra! Já tenho uma decisão! Vamos ao Brasil e ponto final!) - gritou Maximiliano, que já vestia desde cedo uma camisa da Seleção Brasileira de Futebol. Foi claro o descontentamento dos outros membros da família, mas estava tomada a decisão de Don Maximiliano 'El Pibe Ficcheri'.

Sem choro nem vela, os dez rapazes partiriam para a primeira cidade que lhes dava opção de voo: Boa Vista, Roraima. Mas como o voo atrasou, eles pegariam mesmo o avião para qualquer canto. Escolheram a cidade São Paulo. Seria um recomeço, ou melhor, um começo para uma família completamente renovada: os Spottaccios enfim desembarcariam em solo brasileiro para o início de uma epopéia quase eterna.

PODCAST ESPECIAL: DILMA ELEITA

ou "Como Jornalista não sabe de merda nenhuma"

Parem as máquinas! O Podcast do Androceu está de volta do mundo dos mortos para o delírio dos masoquistas visuais, nossos maiores ouvintes. Neste breve drops, relembre de um pequeno trecho do épico programa feito numa manhã de 2009, onde quatro aspirantes a melhor profissão do mundo sentaram para conversar sobre o Dia Internacional da Mulher e durante o bate-papo, a questão de Dilma Rousseff se tornar a primeira mulher eleita presidente do país foi levantada...
Clique aí embaixo e ouça, quase um ano e meio depois, qual dos quatro quebrou a cara mais feio, qual deveria ter desistido de produzir programas de áudio e qual membro dessa estimada equipe tem parentesco com o mais famoso caçador nordestino....

2 de nov de 2010

Eleito há quase um mês, Fischer pena para montar governo


Agência Andropress – Comunicação é a nossa cerveja

Lentidão. Essa pode ser a palavra que resume o governo de Max Fischer frente ao BLOG ANDROCEU, até este momento. Conhecido por sua alta participação nos governos anteriores, o candidato do PCV (Partido dos Corinthianos Vadios), foi visto pouquíssimas vezes em seu gabinete, está tendo grandes dificuldades em montar o seu governo.