24 de ago de 2008

Cena de bar

"Tira as mãos dela, cara!", ordenou o homem de chapéu.

"Tire você os olhos de cima dela!", contrariou o rapaz de óculos quebrados.

"Saiam os dois de perto dela, viu!", interveio um terceiro.

Naquela zona toda do bar, o clima era de marcação de território entre os três amigos. Enquanto a única fêmea do bando saía para o banheiro, na cabeça de cada um a bela colega era despida daqueles trajes moderninhos. Cada um tinha a convicção de que, no fim da noite, a levaria para aquele banheiro sujo dos fundos e a tomaria nos braços e a beijaria.

Demora. A competição deu lugar à preocupação comum. Ela não voltava do banheiro sujo.

"Eu vou lá ver", prontificou-se o homem de chapéu.

"Não. Deixa que eu vou...", disse educadamente o de óculos quebrados.

"Eu já ia pegar outra cerveja...eu vejo o que aconteceu", sugeriu o terceiro.

Era a vez mesmo do terceiro catar a próxima cerveja. Na volta, fez o prometido e passou no banheiro feminino. Voltou à mesa e estava mais gelado do que a garrafa que trazia na mão direita.

"E aí?", perguntaram os dois outros.

"Tá...Não, tá tudo bem. Ela tava na fila.", disse visivelmente deprimido.

Os outros dois perceberam a derrota no rosto do terceiro. Levantaram e foram checar. Ambos voltaram tão gelados quanto a cerveja que não traziam.

Na porta do banheiro sujo, o quarto competidor marcou seu território silenciosamente. A garota se enroscava, com fome, com uma outra, que também estava usando trajes moderninhos.

Os três permaneceram em silêncio, na mesa, olhando para os lados. As mãos do rapaz de óculos quebrados nunca mais tocaram a garota. Os olhos do homem de chapéu não olharam mais daquele jeito para a menina. E o terceiro do grupo nunca mais precisou pedir para que outros rapazes ficassem longe dela. Porque eles compreenderam, naquele instante, que a obediência de um não se deveu à autoridade do outro. A caça acabara lá no banheiro sujo, sem leões por perto.

2 comentários:

Max disse...

Essas mulheres de roupas moderinhas viu...

Sgura disse...

hahaha demais...

mas que medo, depois dessa história temos de ficar mais espertos hohooho