26 de jan de 2009

Novo Androceu, 400


Esse é o post de número quatrocentos do Novo Androceu, logo será um daqueles textos retrospectivos sem importância nenhuma para quem acha que Freud era legal por querer comer a própria mãe, mas fundamental para quem sabe o que é importante na vida. Alguns dos novos leitores devem estar se perguntando o porquê diabos da denominação de Novo Androceu e não somente Androceu. Explicamos nas próximas linhas.
O Blog Androceu foi fundado originalmente no final de maio de 2006 ou algo muito próximo disso. Tomados pelo espírito despretensioso e vadio puquiano, um grupo inicial de oito garotos unidos na base do “ei, você aí, chega aí” para um seminário de IPT decidiu montar um blog sem grandes pretensões ou objetivos. Pronto! Estava lançada a semente ou pedra-base do Androceu que só cresceu a partir daí.
Com o passar das semanas aquele pequeno grupo – e por consequência o blog – foi ganhando corpo e rapidamente já era destaque nas conversas de botequim de certa universidade de Perdizes por textos, trabalhos e atitudes polêmicas que acabariam criando a expressão “Androceu way of live”, como afirmou um dos membros depois da terceira dose de caipirinha em plena terça-feira à tarde. Com postagens quase sempre diárias sobre diversos assuntos não foi de estranhar a criação de dezenas de blogs de colegas de salas que tentaram – embora nunca tenham assumidos tal desejo – tomar o nosso posto de mestre-bandeira nesse bloco carnavalesco chamado jornalismo.
E assim se passou quase um ano e meio. E muita coisa mudou: os bares foram ficando mais raros, as postagens foram se espaçando, alguns colunistas saíram de férias quase eternas e outros foram contratados para reposição de elenco. Porém, nada havia preparado o blog para um ataque hacker que destruiu, sem deixar nada para trás além de um vídeo pornô lésbico, todos os nossos registros virtuais. O ataque ainda não foi totalmente esclarecido, mas lentamente vamos buscando informações sobre quem, e principalmente o por quê, dele ter ocorrido.
E assim chegamos ao Novo Androceu. Novamente tivemos uma rodada de dispensas e contratações, porém resolvemos dar um passo adiante na nossa maior ambição: ter um complexo viário ou praça com o nome de cada integrante. Foi assim que o Androceu foi criando seus projetos paralelos para colocar um pouco do conhecimento puquiano em prática, além de divulgar a marca em outras mídias. Assim nasceu a TV Androceu (http://www.mogulus.com/androceu), o programa de rádio “Podí-Questí do Androceu”, e o nosso próprio jornal impresso, o Androzine.
Porém, nada disso seria possível sem o compromisso de toda a equipe.
Talvez seja esse o grande segredo do blog: Ele não é apenas o aglutinamento de algumas boas mentes, mas sim uma massa heterogênea sem guerra de egos, onde tiramos o melhor (ou pior) de cada elemento em prol do bem comum, ou como diria outro fundador que mora atualmente na terra de OZ: “já passamos por bons e maus momentos mas acima de tudo sabemos que a nossa amizade é foda!”
E por fim, para evitar que esse texto fique mais enfadonho do que já está, adaptamos um par de versos da banda paulistana Premê para falar sobre os outros blogs concorrentes-parceiros: “Mas tudo que quero é que meus inimigos tenham força e sucesso para que possam assistir de pé aos nossos progressos”.

Sempre com você, sempre Androceu.

A equipe

Um comentário:

Alan disse...

"Alguns dos novos leitores..."
Não entendi essa frase. Quem são essas pessoas?