3 de dez de 2007

Éramos felizes e sabíamos disso.




Sabe, fim de ano é uma droga. Já em outubro, você começa e se estressar (bem, eu comecei a me estressar assim que o médico me tirou de dentro da minha mãe, mas aí digo que é um estresse típico da minha personalidade) e vai indo assim durante todos os dias até o natal. Aí no natal, todo mundo deve desestressar-se; é lei. É feio, né?, ficar bravo no natal. É até um pecado, dizem. Tá. Mas ainda bem que entre o natal e o ano novo, você tem uns cinco dias pra ficar puto novamente, com aquela velha e boa cara de bosta, ranzinza e totalmente tolerância zero com tudo e todos. Aí é ano novo. Você tem que ficar "de boa"; felizão, de branco, champanhe na mão, “feliz ano novo” pra lá, “adeus ano velho" pra cá...
Uma vez, num ano novo aí, que agora já está tão velho que nem me lembro qual foi, resolvi me trancar no meu quarto. Ah, simplesmente porque vi que não fazia sentido aquele “auê” todo. Meus primos correndo pra todo lado, minhas avós relembrando que na época delas era tudo melhor, tudo era melhor! Meus tios contando piadas e causos...As comidas nada a ver (pra quem não come carne, é nessas horas que você vê que comida só serve mesmo pra TE alimentar). Então, peguei e me tranquei no quarto; ninguém percebeu. Liguei o computador e escrevi qualquer coisa; abri a janela e desejei estar em outro lugar. Mas só entrou vento.

Nunca estamos em outro lugar quando queremos realmente não estar onde se está.

Tudo bem...na época ainda andava de skate direto. Pelo MSN, falei com uns amigos que também haviam se trancado no quarto, para fugir de seus demônios particulares. Marcamos de descermos (todos moram ou no mesmo prédio, ou no prédio vizinho). Reunidos, começamos a fazer a bagunça; agora sim eu estava feliz! Porque, finalmente, estava fazendo algo verdadeiro, e não seguindo aquele velho script de fim de ano, que parece que recebemos com uma certa antecedência. Sim, porque chega no dia do natal, ou do ano novo, você já sabe o que vai acontecer! É um absurdo! Me responda: você já se surpreendeu com o quê nessas datas? Ah, ganhou um presentinho? Ora, abra lá na página 21: lá diz que à meia-noite você receberá presentes e, possivelmente, algum deles será cuecas.

Lembro que naquele dia, 31 de dezembro de não sei o que, andei tanto de skate com meus amigos, até na madrugada do dia 1 de janeiro de também não sei o que, que até nos esquecemos de desejarmo-nos “feliz ano novo”.

Ora, pra que desejar a felicidade, quando se já a tem, nem que por pouco tempo.

No ano novo, o que vejo são pessoas desesperadas por felicidade. Mas elas não sabem que ela, a felicidade, mesmo momentânea, não precisa de script e nem de roupas brancas para existir. Apenas de sinceridade.

4 comentários:

mario disse...

Ser feliz só depende de nós mesmos.

Julia disse...

bruno, vc estressado, e desde o primeiro dia d vida!?!?!?!

surpreendente

Bruno de Pierro disse...

pois é, ju...vc não viu nada. hehe

renata disse...

sim.....
ele é assim...exatamente como o descrito....suas vontades e o que pensa são sagrados....ele confia nele......e na felicidade dele......mesmo que você não aceite.......