7 de nov de 2009

Ficha de RH: André Cintra

Breve Perfil:

“André Cintra é uma pessoa dupla devido as diferentes perspectivas pelas quais é conhecido. O que o deixa de mal-humor? Palmeiras. De bom-humor? Palmeiras. Se ele pudesse nadar em uma piscina, seria uma piscina de coca-cola. Se ele fosse meia laranja, Juju seria a outra metade. Se o ano fosse 2006, ele tomaria no café da manhã sete colheres de Nescau, mas como estamos em 2009, ele toma sete colheres de Toddy
O jovem não se importa com nada, apenas com o Palmeiras e Juju. Se perguntassem ao André o que ele levaria para uma ilha deserta, ele diria: Juju, jujuba e coca-cola. Isso porque tendo jujuba e coca-cola ele estaria bem alimentado e tendo Juju ele estaria feliz, e tendo Juju haveria alguém com quem conversar sobre o Palmeiras.
Quem quisesse conhecer bem o André, morreria querendo. Quem quisesse conhecer o não-André, poderia entrar em seu blog ou então digitar no Google “A bunda” de Chico Buarque e leria sobre coisas que supostamente são André.
Mas biologias, escatologias e gostos à parte. O André pode ser definido em uma palavra. O André é um cuzão. E como todo grande buraco negro, tudo nele pode ser engolido e modificado em um instante. Afinal, não é só o Nescau que é efêmero.”

(Retirado do perfil escrito por Mariana Osone)

Ficha técnica:

Nome: André
Apelido: Rodolphinho, Harolldinho e John Lemon.
Idade: 23 anos
Nascimento: 26/04/1987
Time: Palmeiras, Palestra, Inter.
Animais: Sobre cães, posso falar de meu amigo e finado Cafu, e de Wolvi e Logan que me fazem companhias aos finais de semana. Sobre gatos, tem meu Jaiminho, que tem um defeito nas patas traseiras, o Lulu e a Fatinha, que sumiram. O Cacildo, que tem o rabo quebrado.
Trabalho: É para os pobres. Felizmente, meu pai é rico e não preciso disso.
Drogas: São a cara do Max
Um medo: Cair no vão do metrô.
Uma alegria: Palmeiras 3 x 0 Corinthians (Obina, Obina e Obina).
Um homem: Valdívia, Bruno Aleixo, meu sobrinho Guillermo e meu cachorro Cafu.
Uma mulher: Juliana.
PUC: É a cara do Max.
Jornalismo: É a cara do Max.
Androceu: É a cara do Max.
Uma memória: Eu me lembro de quando tinha 5 anos e planejei como passaria as tardes do ano seguinte, quando seria velho demais para ter tempo para pensar no que fazer.
Uma frase: "Se sua careca não brilha, não tente roubar a minha!" Ewerton Clides
Bebida: Coca-Cola.
Lugar favorito: Santos.
Posição favorita: Meio-campo.
Religião: Católica.

Redação de admissão:

Por que eu quero entrar no Androceu

Eu sempre quis fazer parte de um blog composto por homens inteligentes, criativos, bem humorados e donos de ótimo texto. Mas um convite de um blog desse tipo ainda não veio, por isso vejo com bons olhos a possibilidade de entrar no Androceu. Pode ser o primeiro passo.
Mas não é só por isso. Pelo menos não deveria ser, já que é minha obrigação prestigiar algo que meus colegas de sala, em especial o Max, se esmeram tanto em fazer. É pelo Max que começarei a enumerar meus motivos. E é por isso que eles serão os últimos motivos – por serem relativos o Max. E também por serem relativos ao Max, desculpem a repetição, é que serão os primeiros. Espero que me entendam – seria horrível começar minha participação no blog com redundâncias.
O sétimo motivo que me leva a entrar neste blog é poder falar sempre do Corinthians quando o Max não quiser ouvir. Para quem não sabe, o Max não fala comigo quando o Corinthians perde do Palmeiras, quando o Corinthians perde do Náutico, do Fluminense, do Santos, do Mogi Mirim, do Barueri, do Bahia, e de todos aqueles times que o Corinthians e o Max se habituaram a jogar na segunda divisão.
O sexto motivo é para poder me comunicar com o Max pela internet. Ele me bloqueou no MSN em outubro do ano passado e até hoje não desbloqueou – não sei se ele esqueceu, ou se ainda está virtualmente bravo comigo.
O quinto motivo é bastante interesseiro. Ter a minha imagem associada a algo que é do Max pode me levar longe. Tenho certeza que a partir de agora terei a chance de conseguir os melhores estágios não remunerados em assessoria de imprensa de todo o mercado paulistano!
Mas não convém falar só do Max. Além de deixar os outros meninos enciumados, o próprio Max poderá se deixar levar pelos elogios, e não é prudente embebedar o Max de elogios. (Está vendo, Max? É por isso que nunca te elogiei.)
O quarto motivo que me aproxima do Androceu é que pude constatar, depois de algumas pesquisas, que o Renê não faz parte do blog. E isso pode me ser muito útil, já que não haverá a chance de textos meus serem retirados do ar por alguém da minha idade. Já passei isso por uma vez, e minha auto-estima reclama até hoje.
O terceiro motivo é geográfico. Na geografia do design deste blog, percebo que os blogs próprios de gente que não faz parte do Androceu ficam em posição menos privilegiada do que os blogs daqueles que fazem parte. E como entra muita gente neste espaço, uma simples modificação como esta será capaz de levar milhares de pessoas ao meu blog Eu não sou virgem, Maria!
O segundo motivo é que ocuparei meu tempo depois de sair de meu estágio. Entrando no Androceu, espero nunca mais ouvir de ninguém que eu estou desempregado ou desocupado. Se alguém me chamar assim a partir de agora, eu posso responder com a seguinte palavra: invejoso.
O primeiro motivo, rapaz, é que fiquei absolutamente encantado após ver meu nome escrito, embora no plural, em um blog de tamanha repercussão. A minha mãe está com um sorriso diferente até agora, e ela jura que dessa vez não é cárie!
Eu teria outros motivos, mas minha soberba não me permite contar. Espero que tenha sido claro o bastante, caso contrário, você que leia duas vezes.

Agradecidamente,
André Cintra

3 comentários:

Carlitos® disse...

André, concordamos em dois pontos:

Drogas: São a cara do Max
Um medo: Cair no vão do metrô.

João Paulo Caldeira disse...

hhahahaha, eu adoro essa descrição feita pela mari!

Bruno de Pierro disse...

hahahahaha..mto bom!