12 de mar de 2010

Óbivio Tanakara Entrevista: repórter VS boleiro

Não perca a entrevista exclusiva que o Androceu fez com um dos grandes craques do Androceu FC, Juninho Alagoano, que fala coisas que nunca havia dito antes para imprensa sobre sua última partida, para a possibilidade de ele ir para o banco de reservas, sobre a tão sonhada final da Copa Libertadores e sobre seu sonho em jogar com a amarelinha!

E agora, Juninho? Está feliz pelos três gols de bicicleta?
Graças a Deus, com certeza, a gente entra com muita humildade e respeitando o adversário pra buscar esses três ponto que são muito importante, porque a vitória é muito importante pra dar sequência no nosso trabalho e pra dar alegria pra esse torcida maravilhosa. A artilharia é segundo plano, o que importa mesmo são os três ponto, fico feliz por ter ajudado esse elenco voluntarioso.

E agora, Juninho? Você pode voltar para o banco para o próximo jogo?
Não, com certeza, isso é com o professor, ele que escala o time e se eu tiver que ficar no banco ainda vou dar 100% pra entrar e ajudar nosso time a sair com a vitória que é muito importante pra gente. Nosso grupo tá fechado e se o professor decidir por outro jogador vou continuar trabalhando pra reconquistar meu espaço no grupo.

E agora, Juninho? Esse gol no final do primeiro tempo abalou o time?
Não, com certeza, a gente sabe que nosso adversário tem qualidade e agora a gente tem que correr atrás do prejuízo. Não vamo abaixar a cabeça porque ainda tem 45 minutos pra gente reverter esse placar. Vamo conversar com o professor e ver o que a gente pode fazer pro segundo tempo pra conquistar esse resultado positivo.

E agora, Juninho? Já estão com a cabeça na final da Libertadores?
Não, com certeza, nossa cabeça tá no jogo de domingo do Alagoano que é muito importante pra gente dar sequência no trabalho. Só vamo pensar na final da Libertadores depois desse jogo que vai ser muito difícil, mesmo a gente estando já classificado para fase seguinte do estadual.

E agora, Juninho? Essa camisa pesa? Pensa em jogar pela Seleção?
Graças a Deus, com certeza, vir pra esse time que tem essa torcida maravilhosa é um grande passo que eu dou na carreira e o importante é agora é ganhar ritmo de jogo e mostrar pro professor que eu tenho condições de disputar uma vaga aí no time. Eu chego para agregar a esse elenco maravilhoso.

Chego apenas a uma conclusão (que nem é uma conclusão) depois de constatar que 99% dos jogadores falam assim, com exceção apenas do genial Marcão: quem é o pior? O jornalista ou o jogador? Sinceramente, eu acho que seja o jornalista, que deveria ser muito mais preparado que o jogador para comandar uma entrevista, seja ela qual for, em um nível superior a esse.

O colunista nipo-brasileiro Óbivio Tanakara escreve sua coluna quando dá na telha, ele é costas quentes.

3 comentários:

Max disse...

Genial

E eu sugiro que a próxima entrevista do Óbivio Tanakara seja com o Lula.

Alan disse...

Quem é pior? Difícil dizer.
Todos sabem que o jornalismo esportivo brasileiro, com raras exceções, é lamentável. É só lembrar o destaque que figuras como Chico Lang têm.
E o jogador fala quase sempre aquele discurso arroz com feijão cozinhado pelo assessor.

João Paulo Caldeira disse...

Veja bem, é melhor o cara falar o de sempre do que dar uma de goleiro do Flamengo.