26 de jan de 2009

Punheteira niquelada

O Butantã deve ser o fim do mundo, eu pensei, manobrando o carro debaixo de uma puta chuva pra estacionar na frente do Padrão. Não sei se você conhece a peça, aquele supermercado de bairro que cresceu e agora faz suas entregas em domicílio e fica aberto até mais tarde, mas muito honesto, muita variedade, preço bacana, gente boa te atendendo e tal.
Chovendo sem parar, desde as cinco da tarde, frio daquele que venta, a rua escura que nem breu e só um ou outro caminhão passando, no caminho da Raposo. Aquela fome apertando e a única coisa aberta perto de casa (perto considerando o carro, bem entendido) era o supermercado, que pica, vamos até lá nos molhar e comprar um congelado.
O supermercado deserto, é domingo, ninguém vai sair de casa (ainda mais debaixo de chuva) pra ir até lá a essa hora – o Fantástico ainda não acabou. Vou pro fundo do supermercado, nas geladeiras de comida congelada e passo pelo corredor em que estão os doces, cereais de café da manhã (tipo assim Froot Loops e aquele do elefante) e as bolachas de recheio e tem uma gordinha olhando os chocolates e a gordinha dá uma olhadinha pra mim e eu dou uma olhadona pra ela e ela continua escolhendo os chocolates e eu vejo que ela pintou as unhas da mão de cor de rosa e está usando um short listrado de branco e azul-escuro.
Pois bem, eu fico ali, olhando os cereais de café da manhã (tipo assim Froot Loops e aquele do elefante) e espiando a gordinha e ela nem percebe que eu ainda estou ali e ela está usando uma sandalinha meio tamanquinho que faz tóc-tóc-tóc no piso do supermercado e ela também pintou as unhas dos artelhos (os dedos do pé, sabe?) de cor de rosa e daí eu fico imaginando a gordinha em casa vendo TV, comendo chocolate e usando só esmalte cor de rosa e nada mais.
Aí a gordinha se vira e percebe que eu estou lá e me pede pra por favor, pegar uma caixa de bombom daquela azul na prateleira de cima e eu pego a caixa (pegaria o próprio Tinhoso se ela me pedisse), ela lê o rótulo, me dá um sorriso e eu vejo que ela está usando um sutiã preto embaixo da blusinha branca, ela dá meia volta e vai fazendo tóc-tóc-tóc com a caixa de bombom (a azul) até o caixa.
Eu fiquei lá olhando, aí ela foi embora e eu fui pros congelados, peguei um Hot Pocket e paguei meu Hot Pocket com moeda, voltei pra casa e jantei um X-bacon que fica pronto com um minuto e meio de microondas e fiquei pensando no que aconteceria se o Chiquinho Scarpa aparecesse com uma punheteira niquelada e assaltasse o supermercado, caso o Butantã não fosse o fim do mundo.

4 comentários:

Max disse...

Só uma correção. Não é Butantã, mas sim grande Osasco.

Alan disse...

Algo contra o hot pocket?
Já salvou minha vida várias vezes...

Bruno de Pierro disse...

minha vida estah mais ou menos assim, aqui nos eua. com as seguintes diferenças:
aqui eu vou no mercado que se chama Super 1 Foods. lah eu compro sopa.
e lah vejo nao soh uma, mas varias gordinhas.
e aqui, ao inves da chuva, eh um tornado que nos deixa putos.

robinho disse...

q beleza